terça-feira, 15 de outubro de 2013

PCC prepara ataques e fala em "Copa do Mundo do terror"; PM entra em alerta

O Primeiro Comando da Capital (PCC) prepara novos ataques caso a cúpula seja transferida para o Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) da Penitenciária de Presidente Bernardes, no interior de São Paulo. Diante das novas ameaças do bando, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Benedito Roberto Meira, pôs a corporação em estado de alerta.

As ameaças da facção se estendem a 2014, quando os bandidos prometem uma "Copa do Mundo do terror" e ataques nas eleições. Os planos dos criminosos foram interceptados em telefonemas recentes flagrados pela inteligência da polícia.

Os bandidos afirmam que vão fazer uma greve branca nos presídios se a liderança do PCC for transferida para o RDD. Também dizem que, em caso de reação do governo paulista à greve, criminosos nas ruas vão atacar.

"Passei uma mensagem aos meus homens para que eles redobrem a atenção no atendimento das ocorrências, quando estacionam os carros e no caminho para casa", afirmou Meira. Em 2012, depois de a facção ordenar ataques a policiais, 106 PMs foram assassinados.

As novas ordens do crime surgiram depois de a defesa de criminosos como Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, o chefão do PCC, ter acesso aos detalhes da megainvestigação realizada por três anos contra o crime organizado. Grande parte do mapeamento das ações do PCC foi feito com a colaboração de PMs.
As orientações saíram por meio de telefonemas dados pelos líderes que estão na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, no oeste paulista.

"O clima é muito tenso na região. Eles estão transmitindo as ordens pelos celulares porque querem que a gente saiba", afirmou um dos 23 promotores dos Grupos de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaecos) do Estado que assinaram a denúncia contra os 175 acusados de pertencem à organização criminosa.

A inteligência policial verificou também que o bando tomou precauções para o caso de toda a cúpula ser isolada no RDD de Presidente Bernardes.

Marcola e os demais integrantes da Sintonia Final Geral escolheram substitutos que devem assumir os negócios da organização criminosa. Tudo isso para que o tráfico de drogas não seja prejudicado.

Durante a greve branca, os líderes do PCC querem impedir a inclusão de novos detentos na cadeia. Pretendem se recusar a serem fechados nas celas, ficando livres nos pátios. Também paralisariam o trabalho nas prisões onde existem oficiais.

Em caso de intervenção do Grupo de Intervenção Rápida (GIR), da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) ou da Tropa de Choque, os detentos da facção pretendem começar atentados nas ruas.

De acordo com a inteligência policial, funcionários dos presídios também foram informados por presidiários sobre as supostas intenções da facção. O conteúdo dessas novas escutas não faz parte da denúncia apresentada pelos promotores.

Pressão
As ameaças do crime organizado contra o Estado surgem no momento em que o Poder Judiciário analisa dois recursos apresentados pelo Ministério Público Estadual (MPE) contra as decisões de juízes que negaram a transferência da cúpula da facção para o RDD e a decretação da prisão de todos os 175 acusados - 16 deles tiveram a denúncia rejeitada.

Na semana passada, um dos promotores do caso relatou no Gabinete de Gestão Integrada (GGI), no Comando Militar do Sudeste, do Exército, a ameaça feita pelo PCC para os eventos de 2014.

A expansão das atividades da facção criaria novos riscos. "A facção sabe que teremos muitos turistas aqui durante a Copa", afirmou o promotor. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Joaquim Barbosa cogita candidatura política

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, admitiu nesta segunda-feira a possibilidade de lançar uma candidatura política no futuro, após deixar a corte.

"Não tenho no momento nenhuma intenção de me lançar candidato à Presidência da República. Pode ser que no futuro", disse Barbosa a jornalistas em evento na Pontifícia Universadade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ).

"Sempre tive carreira técnica. Agora, no dia que deixar o Supremo, como entrei muito jovem, ainda terei muito tempo para refletir sobre isso", acrescentou.

A popularidade de Barbosa cresceu devido à sua atuação no processo de julgamento do mensalão, no qual foi relator, e seu nome chegou a aparecer em algumas pesquisas de opinião para as eleições de 2014 para presidente.
Barbosa tem 59 anos e o limite para permanecer no STF é de 70, mas ele disse que acredita ser "muito difícil" continuar no Supremo até os 70 anos de idade.

Ao ser questionado sobre os nomes dos pré-candidatos que se apresentam no momento, Barbosa disse que o "quadro político partidário do Brasil não me agrada nem um pouco".

O presidente do STF defendeu durante sua palestra a realização de uma reforma política no país e destacou em outros pontos o número excessivo de partidos, além de se posicionar contra o voto obrigatório.


via: terra

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

"Estou esperando o momento oportuno para desmascarar esses bandidos", diz Joaquim Barbosa

Em entrevista a Miriam Leitão, Joaquim Barbosa comentou a recente "perseguição" que estaria sofrendo por parte de setores da grande mídia e de blogs "anônimos".

A partir do momento em que despontou como candidato favorito à Presidência da República em pesquisa realizada pelo Datafolha em manifestação de São Paulo, passou a ser mais visado e investigado.

Segundo relatos publicados nas redes sociais, Franklin Martins, assessor de Dilma, teria avançado com blogueiros "amigos do governo" o vasculhamento da vida pessoal do ministro, tendo em vista que este seria um potencial e perigoso concorrente. A intenção seria "mostrar que ele é como os políticos".

Desde então, Joaquim Barbosa foi acusado de comprar um apartamento ilegalmente nos EUA, ferindo estatuto público, além de emergirem informações sobre relacionamento de seu filho com a Rede Globo, entre outros.

Na entrevista, Joaquim Barbosa comentou: "Há milhares de pessoas públicas no Brasil. No entanto os jornais não saem por aí expondo a vida privada dessas pessoas públicas. Pegue os últimos dez presidentes do Supremo Tribunal Federal e compare. É um erro achar que um jornal pode tudo. Os jornais e jornalistas têm limites. São esses limites que vêm sendo ultrapassados por força desse temor de que eu eventualmente me torne candidato".

Prosseguiu: "No momento em que um candidato negro se apresente, esses bolsões [de preconceito] se insurgirão de maneira violenta contra esse candidato. Já há sinais disso na mídia. As investidas da Folha de S.Paulo contra mim já são um sinal. A Folha de S.Paulo expôs meu filho, numa entrevista de emprego. No domingo passado, houve uma violação brutal da minha privacidade. O jornal se achou no direito de expor a compra de um imóvel modesto nos Estados Unidos. Tirei dinheiro da minha conta bancária, enviei o dinheiro por meios legais, previstos na legislação, declarei a compra no Imposto de Renda. Não vejo a mesma exposição da vida privada de pessoas altamente suspeitas da prática de crime".

Sendo mais incisivo, asseriu: ". Nos últimos meses, venho sendo objeto de ataques também por parte de uma mídia subterrânea, inclusive blogs anônimos. Só faço um alerta: a Constituição brasileira proíbe o anonimato, eu teria meios de, no momento devido, através do Judiciário, identificar quem são essas pessoas e quem as financia. Eu me permito o direito de aguardar o momento oportuno para desmascarar esses bandidos".

iguatunoticias

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Vídeo exclusivo mostra farra de médicos em hospital do Rio

A reportagem exclusiva do SBT Brasil mostra os médicos que assinam o ponto e vão embora sem prestar qualquer atendimento à população em hospital público do interior do Rio de Janeiro. Eles recebem por cem horas semanais, mas não permanecem nem dez minutos no hospital. Em junho, a reportagem do SBT tinha flagrado prática similar namaternidade pública Leonor Mendes de Barros, na zona leste de São Paulo.

Assista abaixo:


Professora universitária denuncia que manifestantes estão sendo sequestrados em suas casas e torturados

A professora universitária Liana Cirne Lins, atuante na Faculdade de Direito do Recife, denunciou em seu Facebook que membros dos grupos Black Bloc e Anonymous estão sendo sequestrados e conduzidos sem mandado de prisão.

Segundo a mesma, um dos manifestantes foi torturado e encontrado desacordado.

Leia abaixo:




Após ser questionada quanto a denúncias, replicou: "A grande dificuldade é convencê-los a depor. Conversei com Alê (do Anonymous) até duas da madrugada. Expliquei que ele e sua família e amigos ficariam mais protegidos com a formalização da denúncia e a comunicação à mídia.

Expliquei a importância dessa denúncia para o fortalecimento da democracia e para exigirmos que o diálogo do governo com a sociedade seja pautado pelas regras do estado democrático de direito. Falei da importância da denúncia para requerermos a presença de mecanismos internacionais de defesa dos direitos humanos. Ele ouviu tudo e vai decidir.

A questão é que esses jovens - que estão na base da pirâmide social - têm uma enorme desconfiança de todas as instituições estatais e não conseguem confiar em nada nem ninguém. E como ele foi torturado e ameaçado, inclusive citando os nomes de seus parentes, eles estão apavorados, porque obviamente lhes foi dito para não denunciarem. E às vezes nossas boas intenções não são garantia bastante de que eles não sofrerão retaliações ainda maiores... Enfim, vamos aguardar sua decisão."

Uma das pessoas que teriam sido sequestradas no Recife, Vatsyani Ferrão, declarou ter realizado exame de corpo de delito e publicou imagens de sua face na rede social. Segundo ela, o ato partiu de dois policiais à paisana.






diarioitapora

Gugu não tem nada a ver com mudanças no SBT

Muita gente viajou, imaginando que por trás de tudo, Silvio Santos poderia estar armando mais uma das suas conhecidas surpresas.

A volta do Gugu, por exemplo. Nada a ver.

Outra vez...

 Sobre o noticiário insistente de uma possível volta ao SBT ou acerto com qualquer outra emissora, Gugu Liberato volta a reafirmar que não tem rigorosamente nada conversado e nem pensa nisso no momento.

O seu único e próximo compromisso é viajar por 40 dias, pela Europa e Oriente, na companhia de familiares.
*Colaboração de José Carlos Nery



FONTE http://zip.net/bnkLcm

Desmilitarização, extinção ou investimento em formação: qual é o melhor modelo para a polícia brasileira?


Amarildo, o pedreiro morador da favela da Rocinha que desapareceu após operação policial, e as recentes manifestações que tomaram as ruas colocaram em evidência um tema antigo: a desmilitarização da PM. A violência policial somada a uso abusivo da força do Estado produziram o retorno de reivindicações, que podem vir na forma de “extinção da PM” ou “unificação das polícias”, resultando em uma corporação estruturada e subordinada a valores e regras estritamente civis. 

Em maio, o Conselho de Direitos Humanos da ONU pediu o fim da Polícia Militar no país, bem como o combate a “esquadrões da morte”, responsáveis por assassinatos “extrajudiciais”, como se suspeita ter ocorrido com Amarildo. A orientação ao Brasil era pela extinção do “sistema separada da Polícia Militar” e pela "revisão dos programas de formação em direitos humanos para as forças de segurança, insistindo no uso da força de acordo com os critérios de necessidade e de proporcionalidade, e pondo fim às execuções extrajudiciais". 

Hoje o debate se divide entre os que são a favor da total desmilitarização, unificando as polícias, ou criando uma nova; os que desmilitarizariam, mas acreditam ser necessária a existência de diversas polícias separadas e com objetivos específicos; e os que defendem o modelo atual e apostam em saídas como melhor treinamento e integração visando resultados menos negativos para a imagem dos órgãos de segurança do país. 

Conversamos com especialistas da área para ter um aperitivo dos argumentos que giram em torno do assunto. São eles: o cientista político e professor da Fundação Getúlio Vargas, Guaracy Mingardi; o sociólogo e secretário geral do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima; o tenente da Polícia Militar da Bahia e autor do blog Abordagem Policial, Danillo Ferreira; e o vereador de São Paulo (PSD) e ex-comandante da Polícia Militar do Estado, o Coronel Álvaro Camilo. 

O que significa desmilitarizar? 

As forças de segurança no Brasil são as nacionais Polícia Federal, Rodoviária e Ferroviária, e as estaduais Militar, responsável pelo policiamento ostensivo (rondas) e de preservação da ordem (abordagem e encaminhamento para delegacia), e a Civil, que cuida da parte investigativa e judiciário (encaminhamento de inquérito, por exemplo). A Polícia Militar não tem o título por acaso. Sua raiz é de fato militar, e seu objetivo mais comum, no mundo, é o de funcionar como uma corporação de reserva das Forças Armadas, para atuar no interior do país em situações de guerra ou conflito. Isso implica que a sua formação histórica é diferente dos agentes civis, assim como a sua formação, seus títulos de hierarquia (capitão, tenente, coronel e major), código penal e objetivos. Tanto é que a Polícia Militar está subordinada à Inspetoria Geral das Polícias Militares (IGPM), um órgão do Exército, criada em 1967 e regulamentada pela Constituição de 1988, e o policial está submetido a uma Justiça Militar (além da civil) e, se preso, é enviado a presídios especiais. 

Para Renato Sérgio de Lima, desmilitarizar demanda reformas estruturais que tenham o fim de orientar a polícia para a defesa da sociedade e não do Estado, como é hoje. “Para defender o Estado já existe uma corporação que só em São Paulo tem 5 mil efetivos, a tropa de choque, que dificilmente deixará de de ser militarizada. A questão é: como mudar a mentalidade das demais polícias para uma lógica de trabalho em favor da sociedade?” 

Lima pondera que seria inviável fazer a desmilitarização de repente. “A polícia de São Paulo tem mais de 100 mil policiais. Sem uma lógica militar é quase inconcebível manter e controlar essa força”, diz. Para ele, a saída seria aumentar o poder dos municípios e dividir as forças para melhorar o controle. “Hoje não ocorre o que se chama de ciclo de polícia, que é começar e terminar um caso. Seria importante haver uma instituição cuidando disso, que pode ser desmembrada em várias, o importante é que o policial possa fazer o ciclo completo”. 

Para Lima, mudar o modelo militar pelo civil também não daria certo, porque a estrutura da Polícia Civil atual não é o ideal. “A gente precisa de um modelo novo, precisamos inovar tomando como base modelos de sucesso na Europa e nos Estados Unidos, melhor do que remendar um tecido já estragado”, diz. “Segurança é assunto tabu para governantes, mas é preciso que alguém tenha força política para avançar a discussão, se não daqui a dez anos estaremos com os mesmos problemas e discutindo as mesmas possibilidades de hoje.” 

O policial que não está nos jornais 

O tenente baiano Danillo Ferreira não vê tanta importância na pauta da desmilitarização, e analisa que mais importante é a atenção à integração das corporações (apesar da histórico desavença entre as duas) e à melhor gestão da segurança. “Não é na estética militar, na exaltação aos símbolos, na prática da disciplina que reside o defeito das policias. É no desrespeito aos direitos, é na ‘filosofia de guerra’, na formação de um ‘guerreiro’, no privilégio à repressão truculenta que está disseminado nas instituições de segurança pública”, afirma. “Uma desmilitarização precisa atingir de forma incisiva esta cultura, e tudo que possibilita que ela sobreviva.” 

O Ferreira também defende o chamado ciclo policial completo e critica o modelo atual que coloca o policial militar e o civil com “meias funções”. Para isso, defende o investimento em comunicação coordenada, gestão inteligente da informação e a estruturação organizacional dividida por modalidade criminal ou por território. “Em qualquer dos dois modelos ambas são autônomas e podem constituir sua cultura organizacional (esteticamente militar ou não).” Para o militar, seria necessária a criação de agências fiscalizadoras externas à polícia, já que, segundo ele, “corregedorias internas têm sérias restrições em sua capacidade de atuação”. 

“Essa mudança passa até mesmo por um posicionamento mais responsável da própria mídia – que espetaculariza a ação policial repressiva, "especial", "tática", como se todo policial devesse ter este perfil para tornar-se positivado”, alfineta. “Precisamos enaltecer o policial comunitário, que gerencia pequenos conflitos, que conhece a vizinhança do bairro, mas que não está nas capas dos jornais como protagonista de uma grande ação policial.” 

Desmilitarizar pode ser ruim para o cidadão, diz Coronel

O vereador Coronel Camilo ouviu às reivindicações, mas prefere ver a coisa toda de um ponto de vista mais prático. Para ele, a história da segurança nacional sempre foi a de opiniões sobre revisão da estrutura, mas o que importante mesmo é fazer com que “as coisas funcionem”. O caráter militar da corporação que chefiou por três anos em São Paulo não está baseado em insígnias e títulos. “O regime militar é para controlar pessoas que tem o poder de tirar vidas. Por isso submeter à duas justiças, civil e militar (que no código prevê inclusive pena de morte). Hierarquia e disciplina são fundamentais para o controle de um efetivo que é maior do o próprio Exército e é treinado em combate diariamente”, diz o coronel. 

O vínculo com o IGPM e sua formação militar também são explicados, dessa vez por uma questão de segurança nacional. “Vivemos na América Latina, onde ainda há necessidade de proteção de território. Quando o Exército uniu as polícias do Brasil e colocou a PM como força reserva foi para cuidar do país. Se houver guerra, quem cuida do ambiente nacional é a polícia militar.” Sobre o IGPM, diz que a Inspetoria antes tinha maior ingerência sobre a Polícia Militar, hoje não, mas assim o vínculo é importante. “Em caso de convocação para guerra, quem faz o gerenciamento é o IGPM.” 

Para o militar, casos com o do Amarildo mostram não um defeito do caráter militar da corporação, mas sim de desvios de atuação de policiais e violação de direitos humanos, que devem ser punidos. “Da mesma forma, há desrespeito à vida em delegacias, por civis e não por militares. A hierarquia e ética militar, pelo contrário, ajuda na prevenção disso”, opina. “Por mais que a entrada na corporação seja rigorosa, é inevitável que um ou outro acabe se desvinculando.” 

Mudança a longo prazo 

O cientista político Guaracy Mingardi, para falar do Brasil, lembra da polícia londrina, a Scotland Yard. Criada em 1829, a polícia metropolitana era responsável pela segurança, porém sem caráter militar, o que explicão o “chapelão” usado hoje pelos oficiais, que é uma derivação da cartola usada antigamente, dando um visual de cavalheiro aos policiais. A corporação passou por uma grande reforma e foi criada uma nova chamada New Scotland Yard (nome atual), que responde ao Parlamento. 

“Para imitarmos o modelo inglês, que é diferente, seria muito difícil mas podemos aprendeer que dá para fazer, mas a transição deve ser lenta. Embora acredite que a legislação deva ser feita de uma vez, etapas importantes como ingresso nas corporações e treinamento único devam ser implementados aos poucos, mas tudo com prazo estabelecido em lei para acontecer, se não, não vai andar.” 

“Acho que é uma coisa a longo prazo, o ideal seria a instalação de uma comissão na Câmara para estudar o tema e deixar material para pronto para a próxima legislatura. É preciso comer pela borda, mas é bom que se comece já.” 


revistagalileu

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Lula convoca militantes para "guerra" nas redes sociais (internet)

Em discurso proferido no Foro de São Paulo, Luís Inácio "Lula" da Silva comentou as recentes manifestações e o caráter obsoleto dos partidos, da militância e mesmo da esquerda atual.

Em meio a gritos, gestos e brados por parte de militantes, Hugo Chávez foi homenageado e Lula discursou.

Ao se referir à onda de protestos no Brasil, afirmou que nela é possível "encontrar de tudo. Muita coisa boa e também manifestantes fascistas".

Conclamou os participantes a não se acomodarem e afirmou que todos podem inventar uma "nova esquerda", sendo o primeiro passo a utilização da Internet para divulgar textos e mensagens dos partidos. "Através da Internet a gente pode chegar a milhões sentado no sofá da sua casa se a gente assumir a responsabilidade", declarou. "(...) arrumar o dinheiro e fazer as coisas acontecerem", concluiu.

Haja vista o fato de que a Internet, mais especificamente as redes sociais, tornaram-se uma superestrutura de mobilização anticorrupção, performando críticas contra o governo em geral, partidos políticos, decisões e usos do dinheiro público, além de ações e fatos ocultados ou secundarizados pela mídia tradicional, pode-se antever que uma "partidarização" destes meios - iniciada, inclusive, com vultosos apoios econômicos - lançará os meios virtuais a uma "guerra" de informação e ideologia, sobretudo entre movimentos independentes e partidos políticos?

Lúcio Castro.

Com informações de Record e Youtube.

Câmara paga R$ 28 mil por um jantar de confraternização da bancada do PMDB

A presidência da Câmara dos Deputados desembolsou 28 400 reais para bancar um jantar de confraternização da bancada do PMDB, na noite desta terça-feira, na residência oficial do presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

A nota de empenho emitida pela Câmara especifica que o jantar seria servido para oitenta pessoas - exatamente o número de integrantes da bancada do PMDB -, o que corresponde a 355 reais por cabeça. A nota, obtida pela ONG Contas Abertas, mostra que o dinheiro foi gasto a título de "Suprimentos de Fundos", rubrica destinada a despesas urgentes, quando não há tempo hábil para efetuar concorrências públicas.

A responsável pela despesa foi Bernadette Maria França Amaral Soares, funcionária da presidência da Câmara e administradora da residência oficial de Alves. O salário dela é de cerca de 30 000 reais mensais. O registro do pagamento exibe a seguinte justificativa: "Concessão de suprimento de fundos para atender despesas relativas à contratação de serviços destinados à realização de jantar no dia 16.07.2013, na residência oficial da Câmara dos Deputados, para um público estimado de oitenta pessoas, a pedido do gabinete do presidente".

"Foi um jantar social de fim de semestre", disse o líder da bancada, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), sobre o evento partidário - que poderia, nesse caso, ter sido custeado pelo partido.

O cardápio incluiu camarão e queijo brie ao molho de caramelo, além de champanhe. Segundo relatos de deputados que foram ao jantar, na confraternização de fim de semestre foram discutidos temas políticos, como a reforma política e a proposta do partido de redução no número de ministérios.

A assessoria do presidente da Câmara informou que ele dispõe de cozinheiros na residência oficial, mas que, em eventos maiores, a administração do local recorre ao serviço de terceiros. Ainda segundo a presidência da Casa, os 28 400 reais foram pagos a Bernadette como adiantamento para a funcionária bancar as despesas com o jantar.

A equipe do peemedebista disse ainda que o valor pago inclui decoração e o aluguel de mesas e cadeiras, e que fez uma cotação de preços antes de contratar a empresa que executou o serviço - cujo nome não foi divulgado. Segundo a assessoria, o jantar foi um evento para "avaliação" das atividades da bancada.


veja

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

“Se a Globo não paga imposto, eu também não vou pagar”

Junte-se à campanha para que a Globo pague o que deve ou para que você possa deixar de pagar também

“Se a Globo pode empurrar uma dívida de R$ 1 bilhão pra frente, postergando a dívida por anos a fio e sem notícia de qualquer medida coercitiva para cobrá-la, parece-me justo que todos os cidadãos brasileiros tenham o mesmo direito”

Sem muita enrolação: nos últimos dias, foi amplamente divulgado que a Rede Globo foi autuada em 2006 por deixar de pagar centenas de milhões de reais de impostos. Nesses quase sete anos, a dívida, corrigida, já beira a casa de um bilhão de reais.
Como qualquer brasileiro, gostaria de saber por que eu tenho que pagar os meus impostos se a família Marinho não paga os dela.
Até onde sei, se eu deixar de pagar meus impostos corro o risco até de ir pra cadeia, além de ter meus bens confiscados e leiloados. Imagino, portanto, que, como eu, você também quer saber, também exige saber por que temos que pagar nossos impostos e essa gente não tem que pagar os dela.

Ora, se a Globo pode empurrar uma dívida desse tamanho pra frente, postergando a dívida por anos a fio e sem notícia de qualquer medida coercitiva para cobrá-la, parece-me justo que todos os cidadãos brasileiros tenham o mesmo direito.
Assim sendo, quero propor, aqui, uma campanha para que todos sejamos brindados com a regalia fiscal concedida à família Marinho. Que tal uma ação civil pública e coletiva para que possamos todos depositar nossos impostos em juízo até que a Globo pague os dela?
Quem topa? Se você não topa, tudo bem. Mas, pelo menos, chie.

Joaquim Barbosa rebate acusações da mídia e diz que vai 'desmascarar esses bandidos'

Em entrevista a Miriam Leitão, Joaquim Barbosa comentou a recente "perseguição" que estaria sofrendo por parte de setores da grande mídia e de blogs "anônimos".

A partir do momento em que despontou como candidato favorito à Presidência da República em pesquisa realizada pelo Datafolha em manifestação de São Paulo, passou a ser mais visado e investigado.

Segundo relatos publicados nas redes sociais, Franklin Martins, assessor de Dilma, teria avançado com blogueiros "amigos do governo" o vasculhamento da vida pessoal do ministro, tendo em vista que este seria um potencial e perigoso concorrente. A intenção seria "mostrar que ele é como os políticos".

Desde então, Joaquim Barbosa foi acusado de comprar um apartamento ilegalmente nos EUA, ferindo estatuto público, além de emergirem informações sobre relacionamento de seu filho com a Rede Globo, entre outros.

Na entrevista, Joaquim Barbosa comentou: "Há milhares de pessoas públicas no Brasil. No entanto os jornais não saem por aí expondo a vida privada dessas pessoas públicas. Pegue os últimos dez presidentes do Supremo Tribunal Federal e compare. É um erro achar que um jornal pode tudo. Os jornais e jornalistas têm limites. São esses limites que vêm sendo ultrapassados por força desse temor de que eu eventualmente me torne candidato".

Prosseguiu: "No momento em que um candidato negro se apresente, esses bolsões [de preconceito] se insurgirão de maneira violenta contra esse candidato. Já há sinais disso na mídia. As investidas da Folha de S.Paulo contra mim já são um sinal. A Folha de S.Paulo expôs meu filho, numa entrevista de emprego. No domingo passado, houve uma violação brutal da minha privacidade. O jornal se achou no direito de expor a compra de um imóvel modesto nos Estados Unidos. Tirei dinheiro da minha conta bancária, enviei o dinheiro por meios legais, previstos na legislação, declarei a compra no Imposto de Renda. Não vejo a mesma exposição da vida privada de pessoas altamente suspeitas da prática de crime".

Sendo mais incisivo, asseriu: ". Nos últimos meses, venho sendo objeto de ataques também por parte de uma mídia subterrânea, inclusive blogs anônimos. Só faço um alerta: a Constituição brasileira proíbe o anonimato, eu teria meios de, no momento devido, através do Judiciário, identificar quem são essas pessoas e quem as financia. Eu me permito o direito de aguardar o momento oportuno para desmascarar esses bandidos".
Entrevista a Miriam Leitão 




http://www.paraiba.com.br/2013/07/29/85202-estou-esperando-o-momento-oportuno-para-desmascarar-esses-bandidos-diz-joaquim-barbosa

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Dilma libera R$ 2 bi para conter motim de aliados no Congresso

A presidente Dilma Rousseff montou uma operação para tentar reduzir os riscos de derrota em votações prometidas para agosto, às vésperas da retomada dos trabalhos no Congresso, e com sua base parlamentar rebelada.

Para acalmar os ânimos, Dilma resolveu mexer no "bolso". Ontem, em reunião com dez ministros e assessores no Palácio da Alvorada, ela autorizou a liberação de R$ 2 bilhões em emendas feitas por deputados e senadores ao Orçamento da União.

Apesar de prometidos e programados desde maio, esses recursos estavam represados por decisão do próprio Executivo devido às limitações fiscais deste ano.

Editoria de Arte/Folhapress

Apesar da concessão, a presidente fez uma cobrança aos ministros políticos --aqueles indicados por aliados. Eles deverão trabalhar para garantir a fidelidade de suas bancadas em votações de interesse do Planalto.

A exigência resulta do diagnóstico segundo o qual os partidos contemplados com cargos no primeiro escalão não têm votado com o Executivo.

A avaliação é que as derrotas sofridas pelo Palácio do Planalto no Legislativo foram armadas a partir de grupos aliados do próprio governo.

Na reunião de ontem, estavam ministros do PMDB, PP, PC do B, PSB, além do próprio PT. Anteontem, a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) já havia pedido ajuda ao PSD de Gilberto Kassab (SP), este formalmente fora da base, mas com afilhado no Ministério da Micro e Pequena Empresa.

Dilma e sua equipe discutiram também investimentos que serão anunciados hoje em São Paulo, ao lado do prefeito Fernando Haddad, em mobilidade urbana, área sensível e, por isso, motor das manifestações de junho.

Aliados de Dilma diziam ontem, em tom de brincadeira, que o governo começou a se preparar para enfrentar agosto, o "mês do cachorro louco".

Segundo uma crença popular, o período é propício para acontecimentos traumáticos. Para ficar em dois exemplos brasileiros: o suicídio de Getúlio Vargas e a morte de Juscelino Kubitschek.

O Congresso reinicia os trabalhos na próxima semana, e reserva dias de tensão para o Planalto. No centro das preocupações está a apreciação de vetos presidenciais.

Até o recesso, vigorava a regra que facilitava o engavetamento de vetos. Agora, pelo novo sistema definido no Congresso, eles precisam ser votados em 30 dias a partir de sua leitura no plenário. Se isso não ocorrer, os vetos trancam a pauta de votação.

No cardápio de vetos com risco de serem derrubados está o que impediu o fim da multa adicional de 10% sobre o saldo das contas de FGTS na demissão sem justa causa de trabalhadores.

Na lista de projetos a serem votados, estão a medida provisória do programa Mais Médicos e a proposta que reverte os royalties do petróleo para educação e saúde.

A Câmara quer aprovar mecanismo que destina 50% da receita do fundo social do pré-sal para educação, enquanto o governo defende apenas o rateio de seus rendimentos.


via Folha/uol

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Papa pede aos jovens que não desanimem na luta contra a corrupção

No esperado discurso do Papa Francisco na comunidade de Varginha, em Manguinhos, Zona Norte do Rio, não faltaram citações a questões políticas, de corrupção, econômicas e até sobre o processo de pacificação das favelas. Alternando momentos de humor e de seriedade, o Pontífice enfatizou a importância da solidariedade para a superação dos problemas e afirmou: "O Papa está com vocês. Levo cada um no meu coração". 

Ao iniciar sua fala, Papa Francisco destacou seu desejo era visitar todos os bairros. "Queria bater à cada porta, beber um cafezinho. Não um copo de cachaça", brincou. "Queria ouvir o coração de cada um, mas o Brasil é tão grande. Então escolhi vir aqui, comunidade que representa todos os bairros do Brasil", disse, para delírio dos milhares de moradores que acompanhavam, o discurso.

"Desde o primeiro momento em que cheguei aqui me sinto acolhido. Quando somos generosos acolhendo, não ficamos mais pobres. Enriquecemos. Sei que quando alguém que precisa comer bate à porta de vocês, vocês sempre dão um jeito de compartilhar a comida. Como diz o ditado: 'Sempre se pode colocar mais água no feijão'. Vocês fazem isso com alegria, mostrando que a verdadeira riqueza está no coração".


O Papa prosseguiu falando sobre a importância da solidariedade no mundo. "O povo brasileiro, sobretudo o mais simples, pode dar ao mundo uma lição de solidariedade. Esta palavra é frequentemente silenciada, porque incomoda. Quase parece um palavrão", brincou, em tom sério.

Francisco, então, citou em seu discurso as autoridades políticas e as classes mais privilegiadas. "Queria lançar um apelo a todos que possuem mais recursos, as autoridades públicas: não se cansem de trabalhar por um mundo mais justo e solidário. Ninguém pode permanecer insensível às desigualdades do mundo. Não é a cultura do egoísmo aquela que constrói um mundo mais habitável, mas sim a cultura da solidariedade".

O Papa falou sobre os esforços do Brasil para combater a fome e a miséria, mas frisou que nenhum esforço de pacificação será duradouro se abandonar a periferia. "Uma sociedade assim empobrece a si mesma. Não deixemos entrar no nosso coração a cultura do descartável. Somos irmãos. Ninguém é descartável." O Pontífice destacou ainda que a fome mais profunda é a da felicidade. "Só Deus pode saciar a fome de dignidade."

A presença de muitos jovens no local também foi destacada pelo papa. "Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial diante das injustiças. Muitas vezes se desiludem com a corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram o seu próprio benefício. Repito: nunca desanime. Não percam a confiança. Não deixem que se apague a esperança. O homem pode mudar. Procurem praticar o bem. A igreja está ao seu lado".

Emoção

O discurso, feito num palanque montado num campo de futebol da comunidade, aconteceu após o Papa percorrer a comunidade de papamóvel, rezar uma missa na capela local, caminhar e cumprimentar dezenas de moradores, especialmente crianças, e ainda entrar na casa de uma família, onde permaneceu por cerca de 10 minutos.

Em todos os momentos, as pessoas, emocionadas, tentavam tocar em Francisco, que respondia com acenos, sorrisos e muitas vezes estendendo as mão para cumprimentá-las. Na capela, foi recebidos por dezenas de crianças, rapidamente se dirigindo para elas e as abraçando.

Antes do seu discurso, um representante da comunidade se dirigiu ao Pontífice, lembrando que a comunidade, sempre esquecida pela mídia e pelas autoridades, ganhava naquele momento projeção internacional. O representante pediu para se dirigir a Sua Santidade como "Pai Francisco", por ser aquele que "acolhe a todos, e especialmente aos mais pobres". O representante falou ainda dos problemas da comunidade, afirmando que ela busca em Deus sua força e seu caminho. "Nunca conseguimos discutir com autoridades os problemas com enchentes que temos aqui", disse, acrescentando: "Talvez somente agora, Pai Francisco, seja possível encontrar a resposta de por que Sua Santidade está aqui. Porque somos simples, pobres, pequenos. Agradecemos a sua visita, e que não seja a única. Que o Senhor leve esta comunidade simples no coração."


FONTE: RORNAL DO BRASIL

Deputado Federal Romário denuncia "golpe" de R$ 3 Bilhões envolvendo Ministro da Dilma e CBF

Nesta terça-feira , Romário entrou em campo. Usava, se me permitem a pobreza da imagem, não as sandálias da humildade e da timidez, mas as chuteiras do artilheiro. E fez um gol de placa.

Denunciou ao plenário da Câmara um fato que muitos de seus colegas certamente ignoravam. E uns tantos outros fingiam ignorar — o que não é raro no mundo político. Por interesse direto, ou por contar que seus colegas façam o mesmo, quando for do seu interesse.

Romário simplesmente contou um episódio triste do mundo do futebol profissional.

Aqui vai: no último dia 9, ocorreu em Brasília um jantar no qual o presidente da Confederação Brasileira de Futebol, José Maria Marin, foi recebido por um grupo de mais ou menos 25 deputados e senadores, para discutir um assunto que caridosamente podemos definir como cabeludo.

Ignoro, lamentavelmente, seus nomes e partidos. A opinião pública merecia conhecê-los.

Acontece, e a gente não sabia, que o Ministério do Esporte está preparando uma medida provisória que concederá anistia a dívidas de clubes de futebol do país inteiro, no valor de mais ou menos R$ 3 bilhões.

É a soma do que devem ao INSS, ao Imposto de Renda e ao Fundo de Garantia — que eles simplesmente, ousadamente, não pagaram nos últimos 20 anos. É um dinheirão, que se explica pela soma dos juros ao longo desse tempão. Provavelmente, é o maior escândalo na história da cartolagem do esporte profissional brasileiro.

A anistia, segundo o nosso craque — que agiu com coragem e sem nada ganhar com isso, a não ser o ódio dos mandachuvas do esporte que é a paixão do povo brasileiro — está sendo preparada pelo Ministério do Esporte.

Em seu discurso-denúncia, Romário não revelou o que ficou acertado no jantar que reuniu o presidente da CBF e parlamentares. Ninguém falou em pagamento: discutiu-se apenas o encaminhamento da anistia.

É uma vergonha, como poucas as que temos conhecido na vida pública brasileira. E também, vale a pena repetir, um gol de placa do nosso artilheiro.

PORTAL I9

Eike Batista perde R$ 77 bi em 15 meses e fica com R$ 450 mi

O empresário Eike Batista, que já foi o sétimo homem mais rico do mundo, deixou de ser bilionário, de acordo com reportagem da revista Bloomberg publicada na quinta-feira. Conforme a publicação, a última queda na fortuna ocorreu após o grupo de investimento de Dubai, Mubadala Development Co, assumir parte do grupo do empresário, o EBX. De março de 2012, quando atingiu o ponto mais alto da fortuna, com US$ 34,5 bilhões (R$ 77,97 bilhões), até ontem, Eike perdeu cerca de R$ 77,5 bilhões. Na quinta-feira, segundo a revista, o empresário contava com apenas US$ 200 milhões (cerca de R$ 450 milhões).
No último dia 10, o empresário anunciou que havia finalizado com sucesso a restruturação dos termos e condições do acordo fechado em abril de 2012 com a Mubadala Development Company, fundo soberano de Abu Dhabi, de acordo com informações de sua assessoria de imprensa.
Na prática, a reestruturação prevê que o fundo Mubadala será o único credor da holding do empresário quando for concluído o processo de venda de ativos e busca de parceiros estratégicos para as companhias "X", o que deve levar meses.
Segundo o comunicado, "no contexto do novo acordo, a EBX resgatou uma parcela significativa do investimento inicial da Mubadala". "EBX e Mubadala também concluíram com sucesso acordos complementares que garantiram uma maior preservação da parcela remanescente do investimento da Mubadala. EBX e Mubadala continuarão engajadas nas discussões relativas às etapas finais da reestruturação da EBX, bem como no que diz respeito ao pleno desenvolvimento dos negócios das empresas que compõem o Grupo EBX, completa a nota.
Segundo fonte ouvida sob condição de anonimato pela Reuters, a reestruturação, implicou em redução da dívida de cerca de US$ 2 bilhões (R$ 4,5 bilhões) para algo entre US$ 1,6 bilhão e US$ 1,7 bilhão. Segundo a Reuters, Eike foi vítima de seus projetos ambiciosos que não entregaram os resultados prometidos - a maioria na área de infraestrutura e energia.
Com informações da Reuters

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Roseana Sarney é acusada de fraudar eleição para o governo do Maranhão

O Tribunal Regional do Maranhão (TRE-MA) pediu abertura de inquérito à Polícia Federal (PF) para que apure indícios de fraudes nas eleições de 2010, vencidas em primeiro turno por Roseana Sarney (PMDB-MA), filha do ex-presidente do Senado José Sarney (PMDB-AP). A suspeita é de que pelo menos 40 mil votos foram contabilizados após o término do horário das eleições. A investigação ocorre dois anos e meio após a declaração do resultado oficial das urnas.

Segundo laudos elaborados a pedido do PCdoB, partido do candidato derrotado e presidente da Embratur, Flávio Dino, foram contabilizados votos após às 17h20 em aproximadamente 70% dos 217 municípios do Estado. Os laudos afirmam que a contabilização de votos fora do horário da votação é normal quando existem situações de exceção, fato que não ocorreu em todo o Maranhão durante as eleições de 2010.

“A ocorrência simultânea de muitos votos rápidos e tardios pode estar apontando para situação de inserção indevida de votos nas urnas em condições sem fiscalização, compatível com a modalidade de fraude de ‘emprenhamento da urna’ pelos mesários”, afirmam o engenheiro de Tecnologia de Informação Almicar Filho e a advogada Maria Cortiz, responsáveis pelo laudo técnico.

A governadora do Maranhão foi reeleita em 2010, em primeiro turno, com 1.459.192, ou 50,08% dos votos válidos. O segundo colocado, Flávio Dino, teve 29,48% dos votos e Jackson Lago (PDT), 19,53%. Roseana foi reeleita em primeiro turno por uma diferença de cinco mil votos em comparação à soma dos demais candidatos.

Leia também: Senador ‘90% honesto’ deve voltar a presidir Conselho de Ética do Senado

Conforme laudo técnico obtido pelo iG , em algumas sessões eleitorais, como na cidade de Barreirinhas, cerca de 20% dos votos foram registrados após o encerramento da votação. Na 83ª sessão eleitoral, por exemplo, dos 333 votos registrados, 50 ocorreram após às 17h20. Em Cantanhede, na 103ª sessão eleitoral, 49 votos foram contabilizados após o fechamento das urnas, de um total de 278.

Além desta denúncia, o TRE-MA também determinou que a Polícia Federal investigasse a formalização de convênios realizados com prefeituras no Maranhão durante o ano de 2010. A oposição ao governo Roseana Sarney afirma que os repasses a Municípios, no valor de aproximadamente R$ 800 milhões, até hoje não foram aplicados.

Essas denúncias também constam no Recurso contra Expedição de Diploma (RCED) contra a governadora Maranhão que tramita no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A expectativa é que esse julgamento ocorra até o final do primeiro semestre deste ano.

Em resposta, encaminhada quase 24h após solicitação da reportagem do iG , o secretário de Comunicação do Maranhão, Sérgio Macedo, afirmou que no Estado “quem acompanha os fatos políticos sabe perfeitamente que a iniciativa do TRE é contra o Sr. Flávio Dino (PCdoB), candidato derrotado do PCdoB ao governo do Maranhão, e não tem nada a ver com a governadora Roseana Sarney”.

Mas em momento algum, a nota oficial faz qualquer menção às denúncias sobre inclusão tardia de votos nas eleições de 2010. “O Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão solicitou à Polícia Federal que apurasse declarações feitas pelo Sr. Flávio Dino, acusando os membros do TRE/MA de ter fraudado o pleito 'na calada da noite' - os juízes se sentiram caluniados e decidiram recorrer à polícia”, afirma em nota oficial.

Macedo ainda declara que os convênios suspeitos foram “pautados na previsão orçamentária determinada por Lei”. “E no caso específico de 2010, o denunciante (Flávio Dino) não foi honesto ao omitir que o município que mais recebeu esses recursos foi o de Imperatriz (segundo maior do Estado), cujo prefeito era de oposição e onde os dois principais candidatos que se opunham a Roseana obtiveram 87% dos votos contra apenas 13% dela - daí a constatação inequívoca de que, de eleitoreiros, tais convênios não tiveram nada”.


http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2013-03-14/roseana-sarney-e-acusada-de-fraudar-eleicao-para-o-governo-do-maranhao.html

Explicação de Joaquim Barbosa sobre o "APERTO DE MÃOS"

Joaquim Barbosa sentiu-se na obrigação de explicar em detalhes o curto-circuito que explodiu  nas redes sociais desde que, na cerimônia de recepção ao papa anteontem, ele teria agido de modo deselegante com Dilma Rousseff, ao não estender a mão à presidente pouco antes de cumprimentar Francisco.

Sua assessoria preparou uma nota oficial em que dá sua versão do que ocorreu. Eis alguns trechos:

*”Com base em imagens de TV captadas a partir de determinado ângulo, foram criadas versões sobre o comportamento do ministro que não encontram amparo na realidade. O ministro repudia interpretação de que teria sido deselegante com a presidente e ratifica seu respeito pelos poderes constituídos.”

*(…)foi feito o convite para que o Presidente do STF comparecesse à cerimônia de recepção ao Papa Francisco, convite que foi prontamente aceito. No dia da cerimônia, logo ao chegar ao Palácio da Guanabara, o ministro Joaquim Barbosa depois de cumprimentar outras autoridades presentes, foi convidado a dirigir-se à sala privativa onde se encontrava a presidente (…)

*Por ocasião dos cumprimentos, o ministro apertou respeitosamente a mão do Santo Padre, e trocou discreto sorriso com a presidente. Isso porque avaliou não ser necessário novo cumprimento protocolar, uma vez que isso já havia ocorrido por ocasião de sua chegada ao Palácio.”

Por Lauro Jardim

terça-feira, 23 de julho de 2013

GOVERNO DO MARANHÃO PAGA R$ 5800,00 POR MÊS A CANDIDATOS DERROTADOS E EX-PREFEITOS

Segundo denúncia realizada por deputados estaduais do Maranhão, 41 ex-prefeitos e ex-candidatos a deputado estadual atuantes no interior do estado recebem, mensalmente, R$5800,00 para participar a apenas uma reunião. Segundo reportagem da Central de Notícias, isto tem sido encarado como uma forma de comprar lideranças opositoras ou aliadas

Os agraciados são chamados membros de um "Conselhão" e oneram em R$1,2 milhões por mês os cofres públicos. Em 2013, o governo criou mais 156 "cargos" relativos ao "CONGEP", totalizando 205 componentes.

“Quero ver o conselho que essas pessoas vão dar para Roseana. Não estamos atirando em nenhuma dessas lideranças, mas estamos denunciando essa imoralidade feita com o dinheiro público", atacou Marcelo Tavares.

A deputada Vianey Bringel (PMDB), ao defender a medida, acabou insinuando intenções: "A oposição reclama porque não tem condições de ir lá e bancar seus aliados".

Segue lista de políticos nomeados neste ano, publicada pelo jornal Maranhão da Gente:

TIAGO RIBEIRO DANTAS (PRP) – Feira Nova do Maranhão

JOSÉ LIMA DOS SANTOS NETO (PMN) – ex-candidato a deputado estadual

DANÚBIA LOYANE ALMEIDA CARNEIRO (PR)– Chapadinha

WILLIAM GUIMARÃES DA SILVA (DEM) – Guimarães

HELOÍSA HELENA FRANCO (DEM) – Alcântara

PRISCYLLA BONIFÁCIO DE OLIVEIRA SÁ (PTdoB) – Presidente Dutra

MARCONI BIMBA CARVALHO DE AQUINO (PRP) – Rosário

JOSÉ REINALDO DA SILVA CALVET (PSC) – Bacabeira

JOSÉ MÁRIO ALVES DE SOUSA (PMDB) – São João dos Patos

LEÃO SANTOS NETO (PSDB) – Arari

JOSIMAR CUNHA RODRIGUES (PR) – Maranhãozinho

MARIA DO ROSÁRIO SERRÃO MARTINS (PPS) – Rosário

ANTONIO ATAÍDE MATOS PINTO (DEM) – Cachoeira Grande

MARIA SONIA OLIVEIRA CAMPOS (DEM) – Axixá

MARINALVA MADEIRO NEPONUCENA SOBRINHO (PTB) – Tufilândia

RAIMUNDO NONATO E SILVA (PMDB) – Barão de Grajaú

BRENO CARDOSO DA SILVEIRA – Parnarama

MAGRADO AROUCHA BARROS (PR) – Viana

CONCEIÇÃO DE MARIA CUTRIM CAMPOS (PMDB) – Olinda Nova do Maranhão

ITALO CARDOSO LIMA E SILVA (PRP) – São Raimundo das Mangabeiras

JOSÉ RIBAMAR LOPES DE SOUSA (PMDB) -Morros

ANTONIO JOSÉ BITTENCOURT DE ALBUQUERQUE JÚNIOR – Ver. de Caxias

ADRIANO SOARES DE SOUSA (PSL) – Belágua

FRANCISCA ALVES DOS REIS (PSD) – Fortuna

MARIA RITA SODRE OLIVEIRA (PP) – Cururupu

GILDÁSIO ANGELO DA SILVA (PSL) – Poção das Pedras

MARIA DO SOCORRO ALMEIDA WAQUIM (PMDB) – Timon

JOÃO MOREIRA PINTO (PR) – Vila Nova dos Martírios

LEILA MARIA RESENDE RIBEIRO (PV) – Sucupira do Norte

LINDALVA FERREIRA LIMA (PRB) – Lagoa Grande do Maranhão

RUBEM EDUARDO SANTOS AMORIM (PSD) – Mirinzal

JOSÉ MARIA OLIVEIRA MATOS (PMDB) – Icatu

MARIA VALDENIR COELHO ALVES (PMDB) – Cidelândia

MÁRIO JORGE SILVA CARNEIRO (DEM) – Esperantinópolis

FRANCISCO DE ASSIS CANAVIEIRA FONSECA (PT) – Tutóia

IVALDO ALMEIDA FERREIRA (PDT) – Mirinzal

SÉRGIO RICARDO OLIVEIRA VIEIRA (PTB) – Açailândia

MÁRCIO ANDRÉ BRAÚNA REZENDE (PTB) – Santa Rita

GEAMES MACEDO RIBEIRO (PDT) – Igarapé Grande

ELINALDO COLAÇO ARAÚJO (PSD) – Matões

RIVALGÊNIA CONCEIÇÃO GONÇALVES MORAIS (PV) – Viana





http://www.oblogueiroluziense.com.br/2013/07/governo-do-maranhao-paga-r-580000-por_7157.html

Senador diz que tem pena de quem vive apenas com R$ 19 mil de salário líquido de parlamentar


Para Cyro Miranda, senador tucano pelo estado de Goiás, a situação do parlamentar brasileiro é digna de pena. Mesmo tendo votado a favor da proposta que elimina o 14º e o 15º salários, pagos todos os anos aos senadores, Miranda foi não hesitou em externar seu desapontamento. "Eu tenho pena daquele que é obrigado a viver com R$ 19 mil líquidos com esta estrutura que temos aqui", criticou o senador.

Já o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) disse que o benefício, criado para ressarcir despesas dos parlamentares com a transferência de suas famílias para a sede do Poder Legislativo, não se justifica mais. Mesma opinião manifestou o senador Sérgio Souza (PMDB-PR): "hoje Brasília está perto de qualquer capital do Brasil", argumentou.

De acordo com a proposta, que foi aprovada nesta terça, 27, pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, a verba extra só deve ser paga no início e no final de cada legislatura, e não todo ano, como atualemente.

o POVO ONLINE

Jô Soares desabafa contra a Globo - Troféu Imprensa 87

Lula o hipócrita e mentiroso, antes de ter o poder criticava o hoje "bolsa

Plínio faz Dilma deixar de sorrir com apenas uma Frase

Conflito na manifestação do Papa

Quem atacou o primeiro Molotov

Ratinho diz pra polícia descer o porrete em manifestantes

Dilma foi à posse de Joaquim Barbosa, mas sua cara disse tudo

Joaquim Barbosa ignora Dilma e cumprimenta o papa



Lula e alguns petistas não queriam que Dilma fosse à posse de Joaquim Barbosa porque ele foi o algoz da Turma do Mensalão. Mas prevaleceu o bom senso. Faz parte dos rituais da harmonia entre os três poderes, a presidente da República prestigiar a posse do presidente do Supremo, e vice-versa. Então Dilma foi, mas suas caras durante toda a cerimônia não deixaram margem para dúvidas. Houve até quem interpretasse que foi uma forma de Dilma cumprir o cerimonial da República, mas ao mesmo tempo mostrar um certo descontentamento, uma espécie de solidariedade ao petistas condenados. Bem, isso é especulação.

O fato é que a expressão amuada de Dilma, que não esboçou sequer um sorriso de cortesia chamou a atenção de todos. Não sei porquê exatamente Dilma agiu assim. É claro que toda a opinião pública sabe que não era uma festa de confraternização de final de ano, nem uma reunião de amigos, tratava-se apenas de um rito da República. Não havia portanto motivo para que quem quer que seja pudesse interpretar a presença de Dilma na posse de Joaquim Barbosa como uma demonstração de apoio à sua postura implacável no caso do Mensalão. Logo, também não havia necessidade da cara fechada o tempo todo. Mas, Lula certamente deve ter gostado dessa parte.

Joaquim Barbosa ignora Dilma e cumprimenta o papa



Joaquim Barbosa ignora Dilma e cumprimenta o papa

Joaquim Barbosa cumprimenta o papa Francisco e passa direto pela presidente Dilma Rousseff durante recepção ao líder da igreja católica
O artigo 2º da Constituição diz que Legislativo, Executivo e Judiciário são poderes “independentes e harmônicos entre si”. Hoje (22), durante cerimônia de boas-vindas ao papa Francisco no Palácio Guanabara, sede do governo estadual do Rio de Janeiro, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, aparentemente praticou o primeiro princípio e ignorou o segundo. Após cumprimentar o papa, Barbosa passou direto pela presidenta Dilma Rousseff.

CLIQUEI AQUI E VEJA IMAGENS DA DILMA NÃO CUMPRIMENTANDO O JOAQUIM BARBOSA, SERÁ QUE FOI O TROCO??? (AQUI)

ASSISTA O VÍDEO

quinta-feira, 18 de julho de 2013

No semestre governo ultrapassa R$ 1 tri pela primeira vez em depesas

As despesas do governo apresentaram aumento real de 6,6% no primeiro semestre, em relação ao mesmo período de 2012.

Os desembolsos atingiram pela primeira vez R$ 1,01 trilhão, segundo levantamento realizado pela organização não-governamental Contas Abertas com dados do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi).

A evolução das despesas mostra que o governo terá dificuldade em concretizar da forma como foi encomendado o corte de R$ 10 bilhões a R$ 15 bilhões, cujo anúncio é prometido para esta semana.

A ordem é preservar investimentos e programas sociais e apontar a tesoura para gastos de custeio da máquina pública.

Os gastos com investimento somaram R$ 20,5 bilhões no primeiro semestre deste ano, contra R$ 20,3 bilhões em igual período de 2012.

"É um desempenho pífio", comentou o secretário-geral da Contas Abertas, Gil Castello Branco. Dos R$ 90,2 bilhões disponíveis para investir, apenas R$ 19 bilhões haviam cumprido, até junho, a primeira etapa do processo de gasto - o empenho.

Fonte: Redação com informações da Agência Naciona

terça-feira, 16 de julho de 2013

Motorista de ônibus perde controle da direção e bate após desmaiar na barragem do Rio Descoberto



O motorista de um ônibus do transporte público perdeu a direção do veículo na manhã desta terça-feira (16) e bateu na grade de proteção da barragem do Rio Descoberto, próximo ao Paranoá, região administrativa do DF. O ônibus fazia a linha Lago Sul – Paranoá.  

Viaturas do Corpo de Bombeiros e do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foram ao local socorrer o motorista que teria desmaiado antes de perder o controle do ônibus da empresa Planeta.  

Após bater na mureta de proteção da barragem, o ônibus parou do outro lado da via quando colidiu no barranco. O motorista foi socorrido e levado para Hospital Regional do Paranoá.


r7

Pacientes esperam até sete horas por atendimento em hospital do DF




Pessoas à procura de atendimento médico enfrentaram até sete horas de espera nesta sexta-feira (12) no Hospital de Sobradinho. Imagens gravadas por celular por uma paciente mostram uma fila de macas e pessoas recebendo soro nos corredores do hospital.
A Secretaria de Saúde informou que três médicos – dois ortopedistas e um clínico geral – estavam no hospital à noite, mas como não há atendimento ambulatorial naquele horário, cerca de 20 pacientes com problemas não prioritários para atendimento tiveram de esperar entre cinco e seis horas.
Na avaliação da secretaria, houve uma sobrecarga de pacientes que não tinham urgência no atendimento. A previsão é que 30 novos leitos sejam criados até setembro, para acabar com a fila de espera em macas no corredor. De acordo com a pasta, todos os pacientes que aguardavam foram atendidos.

Isso, no entanto, não amenizou as reclamações de quem aguardava para se consultar. “Péssimo. Sempre foi péssimo o atendimento nesse hospital aqui. De todos do DF, no caso. Chega aqui qualquer hora do dia ou da noite, você chega num dia e sai no outro, chega de noite e sai de manhã, chega de dia e sai de madrugada”, disse o eletricista Cleber Cavalcante.
O assessor parlamentar Janilton Marcos Calaça esperava há uma semana conseguir uma vaga em UTI com hemodiálise para o sobrinho, que está em estado grave e em coma induzido. “Deram um prazo de até segunda-feira, e a vida dele depende de agora, desse instante. Se não houver essa vaga nas próximas horas, a gente não sabe o que pode acontecer.”
A técnica em enfermagem Rosângela Vieira esperava havia sete horas para tirar um raio X. Ela disse que tentava fazer o exame há duas semanas. “Não consigo, porque eu venho no hospital e não tem atendimento. Já voltei do hospital na semana passada porque não consegui atendimento. Eu cansei, né, e fui embora pra casa. Cansada e sem atendimento, com dor no peito e gripada.”


g1

segunda-feira, 15 de julho de 2013

PT DEVERIA CRIAR 'BOLSA ÓLEO DE PEROBA' IRONIZA SENADOR DO PMDB




O senador pernambucano Jarbas Vasconcelos, da ala independente do PMDB, disse nesta segunda-feira que o Partido dos Trabalhadores (PT) deveria criar a "Bolsa óleo de peroba" por causa do que considera mentiras do governo no episódio da liberação de recursos do Bolsa Família.

Boatos indicando que o programa iria acabar provocaram uma onda de saques há duas semanas, mas integrantes do PT e do governo insinuaram que a ação era obra da oposição. 
— O PT deveria criar o Bolsa óleo de Peroba e distribuir entre seus líderes e integrantes do governo, tamanha é a cara de pau e a irresponsabilidade que tem marcado todo os personagens envolvidos nesse escândalo do boato sobre o Bolsa Família — afirmou Jarbas, em discurso na tribuna do Senado.

Para o senador peemedebista, a presidente Dilma Rousseff é a "principal responsável pelo sofrimento das pessoas". Mesmo assim, observou ele, Dilma teve o "disparate" de falar que as suspeitas do fim do programa eram "algo absurdamente desumano e criminoso". 

Ele comparou a tentativa de atribuir à oposição os boatos a políticas de presidentes populistas e autoritários que "se valem da pobreza da população para continuar seu reinado de manipulações, como na Venezuela e na Argentina". 

Jarbas Vasconcelos disse ser impossível acreditar na versão do Palácio do Planalto de que não sabia da antecipação dos pagamentos do Bolsa Família. 

— Todo esse episódio está cercado de mentiras em cima de mentiras, de falsidades e de recuos constrangidos do governo — disse. 

O senador lembrou que, nas eleições presidenciais de 2006 e 2010, o programa foi usado como "arma de terrorismo eleitoral" contra a oposição. Ele defendeu que, ao contrário dos muitos escândalos que terminaram "jogados para debaixo do tapete vermelho e cheio de estrelas", numa referência ao símbolo do PT, esse caso "não pode ser esquecido por aqueles que querem um Brasil mais sério e transparente".



Fonte: Jornal Zero Hora